quarta-feira, julho 02, 2008

Para Minha Vó Alaranjada

Ela tem um gênio do cão. Um gênio do cão e um tumor no cérebro. Um tumor do tamanho de uma laranja foi o que o médico disse nessa terça feira de manhã. O mais estranho é que desde pequena, eu conheci laranjas de todos os tamanhos. E pra ser bem sincera, isso me dá um pouco de medo. Um pouco não, muito medo. Na verdade, me parece invasivo demais, pensar que alguém resolveu, de uma hora pra outra, abrir a cabeça dela para colher uma simples fruta. Será que a laranja já está madura pra ser arrancada do pé? Será que ela não vai sentir falta daquela companhia secreta? Será que os pensamentos ainda vão ter o gosto cítrico? Ela sempre foi a minha cara. Quer dizer, eu que sempre fui a cara dela. Todo mundo fala. O jeito de andar, de escrever, de levar a vida. Desde pequena, minha mãe já falava. Não sei se foi por isso, ou pelo acaso do destino, que me deram o mesmo nome que o dela: Lúcia. Significa luz. Mas não uma luz qualquer. Lúcia é uma luz bonita, mesclada, suave e forte ao mesmo tempo. A luz ideal. Pele morena, cabelos com cachos grisalhos e um sorriso apaixonado. Lembro das nossas tardes. Ela contando dos amores que teve, de como conheceu "ele" no festival de cinema da década de 50, de como era difícil uma mulher trabalhar fora naquele tempo. Nós temos os mesmos signos, só que ao inverso. Ela é libra ascendente peixes, e eu peixes ascendente libra. Ah, e lógico. Ela agora tem uma laranja a mais também. Uma laranja que vai ser retirada do pomar daqui a duas semanas. Eu ainda não tenho laranja, nem morango, nem maracujá. Só tenho meu amor por ela mesmo. Quando eu era pequena, a coisa que eu mais desejava na minha vida era correr para os braços e para a casa dela. Lá tudo era permitido! Tinha gato, cachorro, papagaio. A gente podia ser o que quiser, brincar do que quiser, se vestir do que quiser. Só não podia comer o que quiser. A comida de lá, era ruim. Ela me obrigava tomar sopas horrorosas. Eu fingia que tomava, joga fora, sofria na hora da mesa... Mas mesmo assim, valia à pena agüentar a sopa pra ficar do seu lado. De noite, subíamos para o terraço e olhávamos as estrelas, e ela contava de quando quase foi abduzida por um disco voador. Acho que é por isso que eu morro de vontade de ser abduzida até hoje. Depois, quando íamos dormir, ela limpava os nossos pés com um paninho molhado. E o melhor, ela sempre deixava eu dormir com um gato. Minha mãe odiava gatos, dizia que eu tinha alergia, mas nunca tive isso quando dormia com o gato na cama dela. Acho que a cama dela era antialérgica. Bom, depois o tempo passou. E veio a adolescência, e eu continuava a correr para os braços dela. Ela fazia cada fantasia de carnaval! Cada ano, um bloco diferente. Melindrosas, diabas, onçinhas. Nem todos os confetes do mundo, poderiam expressar a minha alegria de passar o carnaval com ela. Ai depois, o tempo passou de novo. E eu virei adulta. Uma adulta que se especializava em correr para os braços dela. Quando eu chego perto dela, tenho vontade de ficar abraçada o dia inteiro. De falar de teatro, de sonhos, de astrologia. De ver como ela é moderna mesmo tendo nascido nos anos 30. "Moderna demais"- a minha mãe fala. E agora essa: inventar de criar laranja na cabeça. Vê se pode? Mas tudo bem. Nada de ruim acontece com ela. Nem comigo. Somos Lúcia. E Lúcia significa luz. Quer saber? Eu tenho certeza que daqui a duas semanas, estaremos todos tomando suco de laranja em pleno carnaval, bem do jeito que ela gosta.

6 comentários:

polly_sa disse...

Amei!Ficou muito bom mesmo.beeijo e relaxa vai dá tudo certo.

Lari Sarmento disse...

amiga que lindo! nossa...... to amando seu blogger, que legal.... heim? e me conta essa historia de fazer pizza e recitar poesia que incrivel , nossa amiga to orgulhosa de vc...... vamos conversar mais e parabens!!!!! vc ta cada vez mais artista kkkkkk! bjo
ha! e tenho certeza que sua vo vai ficar bem.

Ana Paula disse...

menina, pela primeira vez, entrei no seu blog e li sobre sua vó pomar...rs. Meu Deus, nossas avós... que amor!!! alucinadamente se ama uma avó.
Que texto lindo.
Adorei seu blog, lerei sempre!!!
Vc é genial, hein?
beijos.
Ana Paula braga

Len disse...

Você tem um pomar de pitangas dentro de você menina. Azedas mas se tiradas na hora certa doces e vermelhas. Você pitanga, sua vó laranja, o amor lixias.
Escuta uma música: new slang- the shins. Sabe-se lá o porque mas acho que ela se ancaixa a você nesse momento.

Adriana Lodi disse...

Amiga serão muitas jarras a serem entornadas sucos de tudo, de vida!
fabulosa declaração de amor!
te adoro
dinha

AB disse...

Minha vó já se foi. Mas era como a sua, só que cozinhava muito bem , o que era vantagem. A menos de cinco anos de morrer, com mais de oitenta, ainda subia em cajueiro; minha mãe minha mãe não dá conta nem de andar direito. As velhinhas eram mais duráveis.
Finge que a sua subiu num pé de laranja pra retirar esse fruto podre pra árvore continuar dando bons frutos. Torço por vocês.