segunda-feira, fevereiro 16, 2009

estamparias de azulejos

Azulejos de Athos Bulcão
Acordei com dor de cabeça. Passei os olhos desatentos sobre o jornal. Tomei um café frio e comi o pedaço, igualmente frio, de uma pizza de ontem. Era tarde. Havia louça por lavar. Havia roupa por estender. Havia comida por fazer.

Preferir o silêncio da chuva rala que molhava a janela.

A ausência se fazia presente em cada tom dos azulejos azuis dessa cozinha, por arrumar. E eu não entendia você.

Encostado no balcão, com as ironias de sempre, de braços abertos, pedindo poesia pra sobremesa. Uma letrinha qualquer, uma rima solta. “Apenas mais um gole do nosso passado que estar por vir, querida.”

Metáforas são pimentas nos olhos. O tempo nem sempre escorre pelas beiradas. Às vezes, um amor não passa. Deixa desejos que pulsam entres os olhares escondidos num bloco de carnaval carioca.

Você sabia que eu não gostava do sorriso dela. Era falso, exagerado, estranho. Aquelas mãos de dedos finos e brancos apresentavam um cheiro de anticéptico irritante. Politicamente correta, a tua perfeita.

Enquanto nesse tempo todo, ela tinha a chave da casa, eu tentava arrombar sua janela. E agora, você decide virar estamparia do meu azulejo?

5 comentários:

Larissa disse...

Linda,
Como você consegue ser assim? Quem dera eu conseguir me impregnar de todas as suas palavras, de todos os seus conselhos, e você, dos meus.
A vida seria mais fácil, mais doce e, talvez, não faltariam mais azulejos...

isaBela araújo silvA disse...

entre chaves de casa e arrobamentos de janela, eu passei por aqui pra te dizer um oi, que adoro suas palavras e dar um viva aos alçapões!

P. Matheus disse...

os azuleijos do athos sao tão belos e sublime quanto o texto!!!bom demais...Parabéns!

Talita disse...

Apaixonante!! seu blog, sua arte, sua poesia...
suas palavras materializam fielmente meus devaneios!
pode até soar meio clichê, mas parece típico de toda mulher, não é!!?
entre dores e sabores, também compartilhamos de um grande amigo!!
o querido Gabizão!
Grande abraço!!

Camila Alcoforado disse...

Adorei também! Em que prédio você fez essa foto dos corredores dos prédios antigos de Brasília? Fiquei curiosa também quanto a obra do Athos Bulcão. Onde você a viu?