quarta-feira, junho 08, 2011

...

mudar de casa, trocar de blog, matar um amor, quebrar o padrão, publicar um livro, reler os textos, achar que o mundo é uma merda, ser uma merda, ter 800 reais pra passar o mês, renovar carteira de motorista, pagar a três multas, pagar IPVA, pagar seguro do carro, abrir uma empresa, fazer pós-graduação nas horas vagas, ser solteira no domingo, ser solteira no sábado, ser solteira na segunda, sorrir menstruada, trabalhar 14 horas por dia na frente do computador, não saber mais rimar, perder a poesia cotidiana, fazer exercícios pra voz, levantar da cama de manhã, negar os trabalhos que pagam bem por uma utopia patética, não entender as piadas da moda, dirigir pra cima, pra baixo e pro lado, não ter tempo pra ler, pra escrever, pra respirar, não prestar atenção no por do sol, tomar uísque sozinha, questionar todas ações, perder um livro com dedicatória do seu ídolo, não ter foco, tentar desvendar a geração, ter o seu stencil coberto por uma publicidade, se dividir em três profissões e entender que você é melhor naquela que você odeia, ser demitida sem aviso prévio, ter casos superficiais, amar pessoas distantes, ter um namorado gay, ficar com o melhor amigo e perder a amizade dele, fazer análise, chorar no divã, ter medo da dependência emocional, se sentir inapta, ser saudosista, achar que perdeu a felicidade em algum lugar no passado, não conseguir olhar para o espelho, nem olhar pra trás, ter medo dos novos passos, das críticas, de enlouquecer, de beijar um desconhecido, do que é finito, de buscar a estabilidade, de envelhecer, de ficar gorda, de ficar sozinha, da vida perder o sentido, de ser feliz. enfim, inventar mil motivos pra chorar de madrugada.

3 comentários:

GAMS disse...

você é escancarada...
parabéns!

beto,,, disse...

me veio algo como: humanidade de corações cansados. foi só o que tive vontade de dizer.

(mas por coração enquanto o que pulsa: seja racional, seja o corpo, seja o sentir, seja o que for. o que pulsa, o que é vida pulsando.)

Habitante disse...

Dicionário sensacionista