segunda-feira, outubro 19, 2009

Darei mil passos em vão.
Suplicarei para que meus olhos cessem.
Para que a pele acostume. Para que a dor vire lembrança.
Entregar-te ao mar. E salgar a amargura
Da tua solidão compartilhada.
Da minha pequena morte prematura.
Marinar os nossos corpos covardes
Em destilados antigos. Quase esquecidos.
Embriagar-me de suas ausências,
E reescrever meus poemas futuros.
E ainda assim, caminhar descalça.
Para que o vento eleve e lave
A tua paisagem da minha escadaria.

2 comentários:

teca disse...

Seria esse o mais só dos corações acompanhados?

beijos saudosos pra você Paty, minha amiga da internet!

Ylian disse...

um samba... em tom menor