sexta-feira, setembro 26, 2008

Água Nova

Depois de secos meses, ela decide benzer as linhas da cidade. O cheiro de terra molhada invade o asfalto amplo e fica mais fácil sorrir sem motivo. É como se a preguiça convidasse o nosso corpo cansado da aridez quase-eterna para dar uma voltinha no parque. Trilha sonora leve, brisa calma. O céu antes colorido, fica todo cinza - cinza-azulado – e de repente, a noite visita o dia. É mágico ver o sol ceder espaço imediato para nossa escuridão urbana. Ai, ela vem e me abraça. Deságua desejos. Traz a certeza que o fim é sempre começo de algo novo. Limpa, invade o peito, encharca os olhos. A chuva molha todas as frestas. Me acalma a pele. Suavemente eu me dissolvo e sou levada pelo destino incerto das lágrimas celestes. Os traços da cidade ficam borrados. Pessoas intocadas buscam o toque urgentemente. E o meu confortável edredom preto me abraça. Espaço duplo para um corpo só. Mas a moça se exibe e dança sobre os meus antigos vidros embaçados. Ela lava minha alma. Sou água nova sobre a cidade cimento.






espaço duplo, um corpo só.



Desenho do Taigo Meirelles

4 comentários:

Princesa Sisi disse...

Sou água sobre a cidade cimento.

EboRâguebi disse...

Vamos criar, a partir do Eborâguebi, um Blog de todas as Nacionalidades, com todos os Idiomas, com todos os Temas e de todas as Idades!

Queres fazer parte?
Só tens que te inscrever em: eboraguebi@live.com.pt

Depois terás que fazer um teste, o tema é à tua escolha.

Junta-te a nós!

Thiago disse...

Sou da mesma opinião. A chuva é linda. Chega sempre renovando as coisas. Traz novas esperanças.

Muito bonito o desenho, também, cheio de personalidade.

well disse...

espaço duplo, pra um corpo só.
tá de brincadeira. quem é você. poeta?